Hipotireoidismo: 8 coisas que você precisa saber, inclusive os sintomas! – Clinica Mariana Eloy – CLIMAE | Candeias, BA.

Hipotireoidismo: 8 coisas que você precisa saber, inclusive os sintomas!

Tratamento da Obesidade: a importância da consulta com endocrinologista e nutricionista.
10 de março de 2017
Obesidade Feminina
24 de março de 2017

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, aproximadamente 10% das mulheres acima de 40 anos e 20% das que têm acima de 60 anos tem hipotireoidismo. Entretanto, a doença pode aparecer em todos os estágios da vida e sempre provoca dúvidas. Pensando nisso, elaboramos uma pequena explicação sobre a doença e seu tratamento, respondendo as dúvidas mais frequentes.

O que é Hipotireoidismo?

O hipotireoidismo é uma forma de mau funcionamento da tireóide, uma glândula que regula importantes partes do organismo. Esse distúrbio se caracteriza pela queda na produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). A doença é mais comum em mulheres, mas pode aparecer em qualquer pessoa, não importando gênero ou idade, com chances até mesmo de ser encontrada em recém-nascidos.

Quais são os sintomas?

Os especialistas apontam vários sintomas para o hipotireoidismo. Existe a possibilidade de que pessoas com hipotireoidismo leve não apresentem os mesmos sintomas. Os principais e mais recorrentes são:

  • Cansaço excessivo;
  • Queda de cabelo;
  • Ganho de peso;
  • Depressão;
  • Sede;
  • Desaceleração dos batimentos cardíacos;
  • Intestino preso;
  • Menstruação irregular;
  • Diminuição da memória;
  • Dores musculares;
  • Sonolência excessiva;
  • Pele seca;
  • Aumento do colesterol no sangue.

Hipotireoidismo engorda?

Hipotireoidismo engorda?Quando uma pessoa desenvolve o hipotireoidismo, o seu metabolismo fica mais lento. Caso a paciente continue ingerindo a mesma quantidade de alimentos que consumia antes da doença, poderá  engordar. Outro fator que contribui para o aumento de peso é a retenção de líquidos. Estima-se que 2 a 5 kg de uma pessoa com hipotireoidismo sejam líquidos retidos. Além desses fatores, o aumento de peso também pode se dar como efeito de outros sintomas, como depressão e ansiedade, que podem ocasionar compulsão alimentar. O aumento de peso é reversível através de boa alimentação e de acompanhamento médico.

Dieta

Recomenda-se que a alimentação seja equilibrada, para a manutenção da saúde e peso ideal. Alguns alimentos podem interferir no funcionamento da tireoide, caso ingeridos em excesso. Por isso, em algumas ocasiões, como realização de exames, dietas específicas podem ser recomendadas.

Durante a gravidez

Se o hipotireoidismo não for tratado, pode impedir a ovulação e trazer dificuldade de gravidez e abortamento. O mau funcionamento da tireoide deve ser tratado antes da gravidez para a redução dos possíveis riscos. Se houver gestação durante o período de tratamento é recomendado que a medicação seja ajustada já que pode levar a dificuldade do desenvolvimento intelectual do feto, hipertensão arterial, risco de deslocamento prematuro da placenta dentre outras complicações.

Qual a diferença entre hipotireoidismo e hipertireoidismo?

Como já vimos, o hipotireoidismo é caracterizado pela baixa produção de hormônios T3 (tri-iodotironina) e o T4 (tiroxina). Já o hipertireoidismo é causado pela atividade excessiva da tireoide, que passa a produzir os hormônios mencionados em quantidade superior à necessário para o corpo.

O que é Hipotireoidismo de Hashimoto?

A tireoidite de Hashimoto, ou tireoidite linfocítica crônica é uma doença autoimune (Doença em que o sistema imunológico do corpo ataca células saudáveis). A sua principal característica é a inflamação da tireoide causada pelo ataque dos anticorpos contra as células da glândula. Esse ataque causa a destruição daquela ou redução de sua atividade.

Hipotireoidismo tem cura?

Infelizmente não existe cura definitiva para o hipotireoidismo. Entretanto, a doença pode ser controlada através de reposição hormonal realizada com hormônios sintéticos. O tratamento é feito tomando o remédio indicado na dosagem e frequência estabelecidas por um endocrinologista.