Tudo o que você precisa saber sobre o DIU. – Clinica Mariana Eloy – CLIMAE | Candeias, BA.

Tudo o que você precisa saber sobre o DIU.

Infográfico: Teste de Gravidez.
24 de fevereiro de 2017
Tratamento da Obesidade: a importância da consulta com endocrinologista e nutricionista.
10 de março de 2017

A partir da invenção e evolução dos métodos contraceptivos, as mulheres conquistaram maior controle de natalidade e controle sobre seu corpo. Atualmente existem várias formas de prevenção a gravidez, as mais conhecidas e utilizadas são as camisinhas, anéis vaginais, anticoncepcionais, diafragmas e o DIU.

O que é DIU?

DIU é a sigla para Dispositivo Intrauterino, é um objeto em formato de T que impede a fecundação não permitindo que os espermatozoides entrem em contato com o óvulo. Este método contraceptivo é considerado de longo prazo pela sua duração de 5 a 10 anos.

Tipos de DIU

Há dois tipos de DIU utilizados atualmente: o de cobre e o medicado (marca mais comum: Mirena). Ambos atuam de forma que impeçam o contato dos espermatozoides com o óvulo, embora de maneiras diferentes. O de cobre não possui hormônios e faz a proteção pela presença do cobre enquanto o medicado possui levonorgestrel, que é um hormônio.

O DIU de cobre possui este metal ao longo da sua estrutura. Ele altera a mobilidade e diminui a viabilidade do espermatozoide . Além disso, no endométrio, que é o local que o embrião se implanta, há um aumento das citocinas e leucócitos diminuindo drasticamente a possibilidade de implantação.

O DIU Mirena também deixa o muco cervical espesso e hostil a penetração dos espermatozoides, inibindo a sua mobilidade no colo, endométrio e trompas.  Além disso, as altas doses de levonogestrel no endométrio impedem a implantação do embrião no endométrio.

Prós e Contras do uso do DIU

O DIU é um dos métodos contraceptivos mais utilizados pelas mulheres pela sua praticidade e eficácia, a seguir listaremos as vantagens e desvantagens ao usá-lo.

Entre as principais vantagens estão:

  • Não precisar lembrar-se de tomar ou trocar o anticoncepcional;
  • Não há interferência nas relações sexuais;
  • Remoção quando a paciente desejar;
  • Possibilidade de inserção durante a amamentação;
  • Uso por mulheres que apresentem contraindicações ao uso de estrogênio.

Entre as principais desvantagens estão:

  • Aumento no volume de sangramentos com o dispositivo de cobre;
  • Dor e pequeno risco de perfuração uterina durante a colocação;
  • Dores durante o período menstrual com o uso de DIU de cobre;
  • Sangramentos discretos e independentes do período menstrual com o uso de DIU de progesterona;
  • Aumento de peso e/ou aparecimento de oleosidade na pele e acne no DIU Mirena por conta do seu hormônio.

Como o DIU é inserido?

A inserção do Dispositivo Intrauterino é um procedimento simples e colocado no consultório médico. Deve sempre ser colocado por um médico ginecologista. Alguns médicos indicam que ele seja inserido no período de menstruação pois é possível ter certeza que a paciente não está grávida e o colo do útero estará mais dilatado durante esse período. Algumas pacientes relatam sentirem uma leve cólica durante o processo. Nas pacientes que não estão menstruando pode ser colocado em qualquer fase do ciclo.

Como o DIU é retirado?

O DIU fica inserido na cavidade uterina, mas possui um fio que fica para parte externa do útero em contato com a vagina. Na hora da retirada é só puxar o DIU com uma pinça. Também pode ser utilizado um histeroscópio, um tubo fino com uma luz e uma câmera na ponta em casos onde não consegue a visualização do DIU.  É muito simples, rápido e praticamente livre de dor a sua retirada. 

O DIU tem a mesma quantidade de hormônio que os anticoncepcionais?

Os anticoncepcionais orais que possuem o levonorgestrel tem uma dose similar ao DIU Mirena, mas contém um hormônio  a mais chamado etinilestradiol que o DIU medicado não possui.

O DIU provoca hemorragia?

Durante a inserção do DIU e nos primeiros dias após a colocação do DIU podem haver alguns sangramentos devido a adaptação e sensibilidade do útero. Se o sangramento persistir ou ficar mais intenso, é recomendado a marcação de consulta com o ginecologista. Pode haver um aumento do fluxo menstrual, mas geralmente é uma queixa passageira.

 O corpo pode rejeitar o DIU?

Sim, é possível que haja rejeição, pois, o DIU será um corpo estranho dentro do útero, entretanto, a taxa de mulheres que tem o DIU rejeitado é baixa, apenas 7 em cada 100 mulheres sofrem esse processo.

O DIU é abortivo?

O DIU atua prioritariamente impedindo a fecundação. Contudo, na hipótese do espermatozoide fecundar o óvulo, o DIU atuará impedindo sua implantação na parede do endométrio (nidação). Neste caso, a resposta dependerá da sua concepção de quando a vida começa. De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde) uma gravidez tem início apenas quando acontece a nidação, outros, entretanto, defendem que ela começa na fecundação.

Qual a eficácia do DIU?

O DIU é um método anticonceptivo muito eficiente, apresentando taxas de falha inferiores a 0,5% ao ano. Em geral, os DIUs de cobre são mais eficazes e produzem menos efeitos colaterais que os medicados pela ausência de hormônios.

Quais fatores podem contribuir para que o DIU saia do lugar?

A expulsão do DIU é mais comum no primeiro ano de uso, ocorrendo em 2–10% das usuárias. O índice cumulativo de expulsão em 5 anos para o DIU de cobre é 6,7%.

Fatores de risco para expulsão incluem inserção imediatamente pós-parto, nuliparidade (pacientes que não tem filhos) e expulsão prévia de DIU. Uma mulher que expulsou um DIU tem uma chance de 30% de expulsá-lo novamente.

Quem não deve usar o DIU?

Algumas situações restringem o uso do DIU. São as que apresentam qualquer uma das seguintes condições: gravidez confirmada ou suspeita, infecção pós-parto ou pós-aborto, doença inflamatória pélvica (DIP) atual ou recente (nos últimos três meses), sangramento genital de natureza desconhecida, tuberculose pélvica, antecedente de episódios de DIP repetidos, câncer genital ou pélvico e alterações anatômicas do útero que possam comprometer o correto posicionamento do DIU. Se a paciente tiver alguma dessas contraindicações e quiser usar o DIU, deverá consultar o médico ginecologista.

O DIU influencia a menstruação?

O DIU medicado pode causar a diminuição do fluxo menstrual pela presença de hormônios como um dos efeitos colaterais. Cerca de 20% das mulheres podem parar de menstruar ou ter seus períodos menstruais mais reduzidos e irregulares pois a carga hormonal será ininterrupta. O uso do DIU de cobre não tem esses efeitos por não fazerem uso de hormônios, porém, podem aumentar o fluxo menstrual tornando o DIU contraindicado para mulheres com menstruações muito intensas em algumas situações.

Haverá dor durante a colocação do DIU?

A dor e a percepção dela dependerão da sensibilidade de cada pessoa, muitas pacientes afirmam sentirem uma cólica durante a inserção.

O DIU poderá ser sentido durante a relação sexual?

O DIU não será sentido pela mulher durante a relação sexual, o que pode ser sentido pelo parceiro na relação sexual é o fio de nylon que acompanha o dispositivo a depender de como foi cortado. Se isso ocorrer, recomenda-se a consulta ao ginecologista.