Quais doenças podem ser identificadas com o exame preventivo? – Clinica Mariana Eloy – CLIMAE | Candeias, BA.

Quais doenças podem ser identificadas com o exame preventivo?

Saiba como é feito o exame preventivo
2 de fevereiro de 2017
Vai pular ou descansar no carnaval? Vejam os cuidados com a saúde que toda mulher deve ter.
16 de fevereiro de 2017

O exame preventivo é a maior ferramenta que possuímos atualmente para rastrear e tentar evitar o surgimento do câncer do colo do útero, com ele é possível localizar lesões que antecedem o temido diagnóstico.

A análise laboratorial pode, dentre outras coisas, identificar algumas Doenças Sexualmente Transmissíveis – DSTs. A seguir, vamos explicar quais doenças podem ser diagnosticadas e como é feito o tratamento em caso de lesões precursoras do câncer.

Quais doenças podem ser identificadas?

Ao analisar as células colhidas no exame Papanicolau, é possível perceber algumas alterações, como por exemplo inflamações, lesões e displasias (anomalias relacionadas ao desenvolvimento de um órgão ou tecido). Além dessas, é possível diagnosticar doenças como tricomoníase, candidíase, e infecção pelo vírus HPV (Human Papiloma Virus).

Como ocorre o tratamento?

O tipo de tratamento a ser recebido dependerá do resultado do exame. Se houverem focos inflamatórios como candidíase, vaginose bacteriana ou outro organismo, serão ministradas medicações orais e/ou vaginais.

Quando se trata do vírus do HPV, o tratamento vai depender do tipo de lesão que ele causa no organismo. É interessante salientar a importância de estimular o próprio sistema imunológico com alimentação saudável, exercícios regulares e  evitando o tabagismo. Estas práticas ajudarão na defesa contra o HPV.

Tratamento das lesões precursoras

As lesões pré-cancerosas encontradas no colo do útero são derivadas da infecção pelo vírus HPV, e podem levar ao desenvolvimento do câncer. Por isso, é importante que sejam tratadas e monitoradas, por meio de exames preventivos, para acompanhar o seu desenvolvimento.

Podem ser encontradas dois tipos de lesões:

  • as de  baixo grau, que não oferecem maiores problemas para a paciente e tendem a desaparecerem sozinhas;
  • as de alto grau, que são consideradas lesões mais graves e que devem ser tratadas pelo médico assistente.

O tratamento mais adequado para cada tipo vai depender das características das lesões, como extensão e complexidade, e também do próprio sistema imunológico. O método deve ser decidido em um consenso entre médico e paciente. Algumas das opções incluem a observação das lesões, cauterização por meios químicos ou elétricos ou LEEP (Retirada da lesão com bisturi)

Fazer o rastreamento e tratar as lesões eventualmente o quanto antes é a melhor forma de se prevenir contra o câncer de colo de útero, e por isso é sempre importante manter seus exames ginecológicos em dia.